9 de setembro de 2020 09:19

Na reta final, chapa de JHC ainda enfrenta problemas e pode ter Ronaldo Lessa como vice

Definições de chapas devem sair apenas depois do dia 16 de setembro

Redação

Na reta final do prazo para as convenções partidárias, que se encerra no próximo dia 16 de setembro, há grupos políticos que ainda enfrentam problemas para definir qual será a chapa completa que vai disputar o pleito. Entre os que lideram a corrida eleitoral, o único candidato que definiu a composição é o ex-procurador-geral de Justiça, Alfredo Gaspar de Mendonça (MDB), que terá como vice o ex-secretário municipal de Maceió, Tácio Melo (Podemos).

No entanto, o nome de Melo não tem agradado o grupo mais próximo ao governador Renan Filho (MDB), mas dificilmente haverá mudanças. Alfredo Gaspar de Mendonça parte para a disputa com o apoio de Renan Filho e do prefeito Rui Palmeira (sem partido).

Quem mais tem enfrentado problemas para fechar as composições e consolidar a candidatura é o deputado federal João Henrique Caldas, o JHC (PSB). Por enquanto, o principal aliado de JHC é o PSDB do senador Rodrigo Cunha. Todavia, os tucanos não indicarão o vice de JHC e isso provocou uma rota de colisão entre Rodrigo Cunha e a deputada federal Tereza Nelma (PSDB), que havia indicado o nome de Adriana Toledo para vice.

Cunha teve que intervir no diretório municipal para consolidar a aliança com JHC. Além disso, os principais nomes tucanos em Alagoas não hipotecarão apoio ao parlamentar. Os deputados estaduais Cibele Moura e Dudu Ronalsa apoiarão Davi Davino.

PDT

A novidade na chapa de JHC é a possível aliança com o ex-governador Ronaldo Lessa (PDT). Lessa era pré-candidato à Prefeitura de Maceió. No entanto, há um alinhamento nacional entre o PSB e o PDT na formação de uma ampla aliança de oposição ao presidente Jair Bolsonaro. Os partidos querem lançar chapas conjuntas em diversas capitais do país. Além de Maceió, Rio de Janeiro (RJ), Curitiba (PR), Porto Alegre (RS), dentre outras.

Caso se confirme a aliança, Ronaldo Lessa seria o vice de JHC. O ex-governador, ao confirmar o plano, destacou que iria para uma “missão partidária”. A posição de Ronaldo Lessa e do PDT tem desagradado alguns pedetistas. Dentre eles, por exemplo, o ex-presidente da Agência Reguladora de Serviços Públicos de Alagoas, Laílson Gomes, que – em áudio que vazou para a imprensa – chegou a opinar que a união entre Lessa e JHC representava o “fim político” de Ronaldo Lessa.

“Infelizmente, isso me deixa muito triste. Eu podia muito bem ficar no PDT achando que JHC já foi nomeado prefeito, como se não fosse haver eleição. Vai haver eleição e JHC será derrotado. É isso que estou dizendo”, diz Laílson Gomes, no áudio vazado.

Davi Davino

O deputado estadual Davi Davino também ainda não consolidou o seu grupo, mas conta com aliados como o Republicanos, PSL e Solidariedade. Davino ainda briga para trazer para a aliança o Democratas de José Thomaz Nonô. Caso consiga, seria mais um “baque” para JHC. Um dos nomes cotados para ser vice de Davino é o médico Emanuell Fortes (PSL).

Os demais candidatos do pleito devem consolidar – em maioria – chapas puro sangue, como por exemplo, a Unidade Popular (UP), que lançará a jornalista Lenilda Luna. São esperadas as mesmas posições do PT e do PSOL, caso não haja aliança.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *